Amarengo

Articles and news

Jesus É Suficiente

Colossenses 1:15-20,

Ele é a imagem do Deus invisível, o primogênito de toda a criação. 16 Pois por ele todas as coisas foram criadas, no céu e na terra, visíveis e invisíveis, sejam tronos, domínios, governantes ou autoridades—todas as coisas foram criadas por ele e por ele. 17 e ele está diante de todas as coisas, e nele todas as coisas se mantêm unidas. 18 e ele é a cabeça do corpo, a Igreja. Ele é o princípio, o primogênito dentre os mortos, para que em tudo seja preeminente. 19 Porque nele Se comprazia habitar toda a plenitude de Deus, 20 e por meio dele reconciliar consigo todas as coisas, quer na terra quer no céu, fazendo a paz pelo sangue da sua cruz.

recentemente lembrado na exortação de hoje para ter cuidado com o exagero, deixe-me celebrar a importância desta passagem pouco antes de mergulhar nos detalhes.Colossenses 1: 15-20 é a passagem mais conhecida na carta, e por uma boa razão. É um dos pontos altos de todo o Novo Testamento, e não é exagero dizer que este é um dos maiores parágrafos da história do mundo. É densa com verdade fundamental e abrangente, e é corajosamente centrada em Cristo. Estes podem ser os seis versículos consecutivos mais importantes da Bíblia. Aqui está o coração da cosmovisão cristã, não diluído, embalado firmemente em um parágrafo curto. Estudiosos e leitores leigos há muito notaram que, à medida que passamos dos versículos 9-12 para os versículos 13-14 e depois para os versículos 15-20, há uma mudança na linguagem de Paulo de suas frases tipicamente longas e fluidas, para essas declarações poéticas curtas e simples sobre Cristo. Porque esses seis versos têm aquela sensação poética — como um credo ou um hino-alguns intérpretes especularam que Paulo o adotou do culto da igreja primitiva, e talvez o adaptou para seus propósitos aqui na carta. Talvez. Isso não seria um problema se fosse o caso. Mas não vejo nenhuma boa razão para pensar que é mais provável que alguém compusesse essas linhas além de Paulo. A enorme verdade destilada aqui em tão curto espaço e frases simples é o gênio teológico em ação, e claramente Paulo, junto com Lucas e João, permanece como um dos claros gigantes teológicos que conhecemos da Igreja do primeiro século.

também estes seis versos são cuidadosamente amarrados no resto da carta. Isso não está de lado no argumento da carta. Este é o próprio coração e núcleo dos colossenses, de fato da teologia de Paulo. A linguagem aqui é captada mais tarde na carta:* Imagem retorna em 3:10* Cristo sobre todos os poderes, 2:15* Cabeça da igreja, 2:19* a Plenitude da divindade de Cristo, 2:9* Reconciliação, 1:22

Uma característica fundamental, que tem crescido em mim na nossa fresco estudo de Colossenses, como igreja, é a importância da palavra “todos” nestes seis versos, e em toda a carta. A palavra grega para” todos “(traduzida como” todos”,” todos “e” todo ” em vários lugares da carta) aparece oito vezes nesses seis versos curtos. É “o fio que une os versos” (Moo, 111).

o ponto do hino, nas palavras de Colossenses 3:10, é “Cristo é tudo, e em todos. O propósito de seu hino – esta meditação sobre a glória de Cristo – no fluxo do livro de Colossenses é dizer que Jesus é suficiente. Não com exagero, mas se alguma coisa com eufemismo. O falso ensinamento em Colossos deve ter sido “tendendo a questionar o papel exclusivo de Cristo em proporcionar crescimento espiritual e segurança, e, assim, seu papel exclusivo no universo em geral” (Moo, 111). Paulo responde com este hino incrível, e em algum sentido dá o resto da carta para descompactá-lo. O ponto do poema: Cristo é tudo. Finalidade: Cristo em suficiente; você não precisa complementá-lo com nada.Foi uma tarefa bastante intimidante esta semana olhar para o pico do Himalaia de Colossenses 1: 15-20 e pensar em tentar capturar seus elementos-chave para você em forma de esboço. Eu me senti sobrecarregado em muitos pontos. Mas Deus foi gentil e abriu meus olhos para algo profundamente bíblico e importante que eu nunca tinha visto neste texto. Está tudo sobre o resto da Bíblia, mas eu nunca tinha provado aqui assim antes. É para onde vamos no final. Mas temos um processo de três etapas, através deste texto, para chegar lá. E é uma viagem maravilhosa.

Jesus É o Senhor de Toda a Criação (versículos 15-17)

Ele é a imagem do Deus invisível, o primogênito de toda a criação. 16 Pois por ele todas as coisas foram criadas, no céu e na terra, visíveis e invisíveis, sejam tronos, domínios, governantes ou autoridades—todas as coisas foram criadas por ele e por ele. 17 e ele está diante de todas as coisas, e nele todas as coisas se mantêm unidas.

dissemos que “tudo”é o fio que une esses versos. Observe o “alls” – Cinco nos três primeiros versos:* Jesus é o primogênito de toda a criação* nele foram criadas todas as coisas* Todas as coisas foram criadas por ele e para ele* Ele é antes de todas as coisas,* nele todas as coisas possuem, em conjunto,

Vamos pular com o primeiro “tudo. O que significa que Jesus é “primogênito de toda a criação”? Para nossos ouvidos, dois mil anos depois, isso soa simplesmente como se ele tivesse nascido primeiro, ou criado primeiro. O primogênito é aquele que nasceu primeiro, certo? Mas “pois” no início do versículo 16 não permitirá isso. Jesus não nasceu ou foi criado primeiro, porque ele não foi criado — se “todas as coisas” foram criadas nele, então ele deve ser incriado.Embora o termo “primogênito” claramente venha de nascer primeiro, o significado que ele passou a assumir é muito mais rico e profundo. Ao longo da Bíblia, primogênito tem o Significado de mais significativo ou, como veremos no versículo 18, preeminência – “primogênito dos mortos, para que em tudo ele seja proeminente” (versículo 18). (Como em Romanos 8:29, ” aqueles a quem ele conheceu, ele também predestinou a ser conformado com a imagem de seu filho, a fim de que ele pudesse ser o primogênito entre muitos irmãos.”)

no entanto, eu suspeito que Jesus sendo” primogênito ” aqui não foi totalmente solto de algum sentido muito importante de primogênito, não apenas em preeminência, mas no tempo (ou tecnicamente antes do tempo). O versículo 17 resume os versículos 15-16 dizendo: “Ele está diante de todas as coisas.”Certamente, como Deus, incriado, sempre existente-os velhos credos diz” gerado, não feito ” – Cristo é antes de todas as coisas. Mas é isso que está em vista aqui?Qual é a imagem de Deus?Para responder a isso, precisamos perguntar o que significa Jesus ser ” a imagem do Deus invisível.”É assim que o poema começa. Versículo 15: “Ele é a imagem do Deus invisível. A palavra “invisível” aqui é útil para nos clueing no que está em jogo com o conceito de “a imagem de Deus. Judeus e cristãos usam essa linguagem de “imagem de Deus” com bastante frequência, por causa de sua proeminência no relato da criação em Gênesis 1:27 (“Deus criou o homem à sua imagem / à imagem de Deus o criou”), mas com que frequência paramos para perguntar o que isso realmente significa?

como isso ajudaria se adicionássemos a palavra “invisível”? Somos feitos ” à imagem do Deus invisível.”Acho que isso é esclarecedor. Acentuar a invisibilidade de Deus aponta para a essência do que é uma imagem: visível. E a visibilidade é uma propriedade da realidade criada. Deus é incriado, invisível. O mundo é criado, visível. A visibilidade é criada e derivada, não original. E jesus aqui é dito ser a imagem visível do Deus invisível. A implicação é que aqui no versículo 15, ao lançar Jesus como o Senhor sobre toda a criação, não só é a sua divindade eterna em vista, mas também a sua humanidade. O Filho Eterno e invisível tornou-se visível tornando-se homem. Isso é o que significa que Jesus seja a imagem de Deus-a imagem está ligada à encarnação-e isso deve ser o que nos orienta a discernir o que significa ser feito “à imagem de Deus”. Toda a criação em, através, e para Jesus, Jesus é a imagem. Estamos na imagem. O que é pelo menos parte, se não o todo, do que Paulo significa aqui que todas as coisas estão em, através e para ele. Antes de Deus criar o mundo, ele planejou como seria para ele mesmo entrar como uma criatura na pessoa de seu filho. A humanidade é como o avatar da vida real de Deus. O homem é a criatura projetada por Deus para o que ele queria ser e fazer no mundo que ele criou. Jesus, como o homem-Deus, é a imagem visível do Deus invisível, que conheceu antes da fundação do mundo como seria para o Filho Eterno entrar como uma criatura, e neste sentido ele é “primogênito sobre toda a criação.”Não primogênito em que ele foi o primeiro homem criado, mas “primogênito” no sentido de que o primeiro homem, Adão, foi criado “à imagem de Deus”, e Jesus é a imagem de Deus (não apenas Colossenses 1:15, mas também 2 Coríntios 4:4, “a luz do evangelho da glória de Cristo, que é a imagem de Deus”). A humanidade pode ter sido criada por último no sexto dia, Mas Deus fez toda a sua criação, desde o primeiro dia, tendo em vista a criação do mundo para o homem, como um dos quais ele um dia entraria em seu mundo.

Então, antes de o Pai trabalhava junto com seu Filho para criar todas as coisas, ele já tinha em vista o que seu Filho iria ser como a sua imagem no mundo criado, e ele criou todas as coisas, em vista de seu Filho, através da agência de seu Filho (trabalhar em conjunto com ele na criação), e para o seu Filho — para honrar, glorificar, e o sotaque de sua suprema pena e majestade. Toda a criação está em Jesus, por meio de Jesus e por Jesus. O que significa que tudo em sua vida se relaciona com Jesus. Muitas vezes não vemos como, mas o problema não é com o seu ser, mas com a nossa visão. Vamos ajudar uns aos outros a ver.

mesmo poderes malignos

Qual é, então, o Significado desta lista de pares no versículo 16, “no céu e na terra, visível e invisível, sejam tronos ou domínios ou governantes ou autoridades”? Resposta: Jesus é verdadeiramente o Senhor de todos-mesmo de Satanás e seus poderes demoníacos. Se alguém se opusesse a essa visão exaustiva da soberania e supremacia de Cristo sobre a criação, uma das primeiras coisas que eles podem dizer é: “e os anjos e o mundo espiritual? Melhor ainda, e os demônios? Podemos suspeitar que, se houvesse alguma parte da realidade que não estivesse em, através e para Jesus, seriam os seres espirituais que se rebelaram contra Deus.

mas os poemas dizem não, mesmo eles. Qualquer pergunta que você tenha. Quaisquer que sejam as dúvidas que você possa ter sobre a soberania e omni-relevância de Cristo, o hino diz: “sim, e isso também.”Não há moléculas maverick( R. C. Sproul), nenhuma polegada quadrada sobre a qual o Cristo ressuscitado não diz:” Meu!”(Abraham Kuyper).7968 sustentando todas as coisas 1878 um último “tudo” nos versículos 15-17 (o fim do versículo 17): “nele todas as coisas se mantêm juntas.”Isso flui do que temos dito sobre a supremacia, centralidade e preeminência de Cristo em toda a criação, mas é distinto e vale a pena deixar claro. Não só Jesus estava em vista e o agente e o objetivo de toda a criação, mas ele também ” mantém todas as coisas juntas.”Jesus” sustenta o universo pela palavra do seu poder ” (Hebreus 1:3). Não só seu envolvimento é exaustivo na criação, mas também em todos os momentos de todos os dias. Ele não faz o relógio e vai embora. Ele o segura em suas mãos e o mantém ativamente correndo com sua própria vida a cada segundo de cada dia.E assim ficamos admirados com o Absoluto senhorio de Cristo sobre toda a realidade, mesmo sobre Satanás e os demônios. Não só ele é atualmente Senhor, mas nele, e através dele, e para ele foi tudo criado, e ele mantém tudo junto a cada momento. E ele é a imagem de Deus no mundo. Toda a realidade está preparada para a entrada do próprio Deus em sua criação. Isso é #1-todo o universo está calibrado para a vinda de Cristo. Agora #2 – o que ele consegue quando entra.

Jesus é o agente de toda a salvação (versos 18-20)

e ele é a cabeça do corpo, a Igreja. Ele é o princípio, o primogênito dentre os mortos, para que em tudo seja preeminente. 19 Porque nele Se comprazia habitar toda a plenitude de Deus, 20 e por meio dele reconciliar consigo todas as coisas, quer na terra quer no céu, fazendo a paz pelo sangue da sua cruz.Tão impressionante como é Cristo Ser Senhor de tudo o que existe neste mundo, em termos tão exaustivos e irrestritos, é ainda mais impressionante que ele seja Senhor de todos no mundo vindouro. Ele é “primogênito” não apenas na primeira criação, mas também na criação final, os novos céus e a nova terra, como cabeça do corpo do povo redimido para o qual o novo mundo é projetado. O primeiro mundo foi projetado para sua entrada. O novo mundo é projetado para seu reinado sem fim como supremo sobre todos e cabeça deste corpo chamado A Igreja.

A lógica do poema é que tão impressionante como é seu papel na criação de todas as coisas, através de, e para ele), é ainda mais impressionante é a sua relação com a nova criação — não provisório mundo que foi (e ainda é), mas a completa e final do mundo que está por vir (e já está aqui em forma de semente, em Cristo ressuscitado e seu povo redimido).Tão grande glória como é para Cristo ser a própria imagem de Deus em quem, por meio de quem, e para quem todas as coisas existem, seu papel em relação à igreja é ainda mais significativo. Como Paulo diz em sua carta de companheiro, Efésios, é “através da Igreja a sabedoria múltipla de Deus pode agora ser dado a conhecer aos governantes e autoridades nos lugares celestiais” (Efésios 3:10). E a igreja é o povo entre o qual a glória e o louvor de Deus alcançam seu pináculo. “Agora, àquele que é capaz de fazer muito mais abundantemente do que tudo o que pedimos ou pensamos, de acordo com o poder que opera dentro de nós, a ele seja glória na igreja e em Cristo Jesus ao longo de todas as gerações, para todo o sempre” (Efésios 3:20-21).Que Jesus é cabeça significa que ele é líder e provedor para a Igreja. E que ele tem um corpo de pessoas significa que ele não está sozinho na nova era. Um povo está com ele. Mas como é que isso acontece?Como ele fez as pazes o coração desta segunda parte do poema, que celebraremos à mesa em poucos minutos, É Que Jesus fez as pazes com o sangue de sua cruz. Há uma suposição maciça entre a parte um e a parte dois do poema: pecado. O horror da humanidade é que a criatura feita à imagem de Deus se rebelou contra Deus. Fizemos guerra ao mesmo que deveríamos viver para refletir. Fizemos a coisa mais irracional, patética e maligna que poderíamos fazer: desconfiamos que aquele é infinitamente confiável e escolheu seguir nosso próprio caminho, direto para a destruição. É por isso que vivemos em um mundo de guerra e caos.

Então, quando o eterno Filho de Deus, finalmente, leva a sua vida real, avatar (por assim dizer) e entra no mundo como aquele em quem e por meio de quem e para quem o mundo existe, a sua missão é fazer a paz — não matando os inimigos de seu Pai, mas dando a sua própria vida para expiar o seu pecado contra o seu infinitamente digno do Pai. Ele derramou seu próprio sangue em graça no lugar de seu sangue ser derramado eternamente em justiça.

Todos Serão Salvos?Portanto, agora, não só é toda a realidade criada em, através e para Jesus, mas toda redenção, toda salvação, está nele, através dele e para ele (essas três preposições aparecem em cada seção). Mas dada a visão expansiva deste poema-com “todos” sendo o fio que o Une – você pode razoavelmente perguntar: “se Jesus é o agente de toda redenção, então todas as pessoas são salvas? Ele, ou ele, reconciliará todas as coisas consigo mesmo, de tal forma que todas as pessoas e todos os espíritos — seja na terra ou nos céus — eventualmente tenham paz com ele e sejam salvos eternamente?

o Que se quer dizer aqui não é que todas as pessoas são salvas (Paulo deixa claro mais tarde que a ira de Deus vem sobre aqueles que não adiem o velho homem, Colossenses 3:5-10), mas que todas as coisas, toda a criação — é restaurada pelo conciliar o trabalho de Cristo (como Romanos 8:19-22), e que aqueles que rejeitam a Jesus são enviados para “trevas exteriores” (Mateus 8:12; 22:13; 25:30) e não estão incluídos no Reino reconciliado.Outra maneira de dizer isso é que não há falta de poder e disponibilidade para todos os humanos da Pacificação de Cristo, mas são aqueles que abraçam sua obra salvífica que viverão com ele em seu mundo totalmente reconciliado e renovado, enquanto aqueles que o rejeitam são expulsos para além do reino da paz. E o que faz a diferença?

3) Jesus é o foco de toda a satisfação Final (versículos 19-20)

isso é o que me senti tão fresco Esta semana. Não só ele é o Senhor de toda a criação e agente de toda a salvação, mas ele é a fonte e foco de toda a satisfação final da nossa alma. E onde o vemos está em duas frases nos versos 19-20.

primeiro, “reconcilie-se consigo mesmo.”Reconciliar significa remover a barreira e restaurar o relacionamento. O prazer do relacionamento é o objetivo. Quando Jesus faz a paz pelo sangue da sua cruz, ele não nos restaura à criação para desfrutar disso como nossa satisfação final; ele nos reconcilia consigo mesmo. Sim, um ao outro. Sim, para a criação. Mas, em última análise, para ele. Ele é o foco final.

segundo, ” toda a plenitude.”Versículo 19:” nele toda a plenitude de Deus se agradou de habitar. Toda a plenitude de Deus – que fez Deus suprema e infinitamente feliz na comunhão da Trindade desde toda a eternidade-toda a plenitude está em Jesus, e através dele, provamos a própria plenitude de Deus como nossa satisfação final. Toda a plenitude de Deus está em Jesus não apenas por causa de uma redenção efetiva, mas também por nossa eterna satisfação nele. Não há prazer, nenhuma bondade, nenhuma misericórdia em Deus que devemos ignorar Cristo para acessar. Toda a plenitude, toda a alegria, está nele.

E assim por Paulo ora em Efésios 3:16-19-se de que

de acordo com as riquezas da sua glória, pode conceder-lhe sejais fortalecidos com poder, mediante o seu Espírito no seu interior, para que Cristo habite em seus corações mediante a fé — de que, estando arraigados e fundados em amor, pode ter força para compreender com todos os santos qual é a largura, e o comprimento, e a altura, e a profundidade e conhecer o amor de Cristo que ultrapassa o conhecimento, que você pode ser cheio de toda a plenitude de Deus.

toda a plenitude de Deus está neste homem Jesus. Plena humanidade e a plenitude da Deidade. Nós maravilhar-se com sua grandeza e poder, e omni-relevância, e nós derreter em sua graça e misericórdia e mansidão, e tudo que vem junto em um espetacular pessoa e de toda a plenitude de Deus neste homem-Deus, a quem nós será um dia ver e conhecer mais completamente e desfrutar sem obstrução para toda a eternidade.

ele é criador e muito mais. E ele é Redentor, e mais. Ele é o tesouro Supremo que pode satisfazer nossas almas por toda a eternidade. Fomos criados para ele, para provar nele toda a plenitude de Deus. E ele nos reconciliou para si mesmo, para relacionamento com ele. E essa relação é por isso que doemos, por que queremos, por que desejamos, por que ansiamos. Nosso coração ficará inquieto até encontrar descanso naquele que fez a paz através do sangue de sua cruz.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.